Seguidores

Postagens animadas Canal Pedagógico

relogio

TRADUTOR

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

Pesquisar este blog

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também

PARA SALVAR AS IMAGENS, CLIQUE NAS IMAGENS PARA VISUALIZAR MELHOR.

1. Escolha a imagem;
2. Clique no botão direito do mouse;
3. Escolha a opção “Salvar Imagem Como ...”
4. Escolha o local a ser salvo a imagem;
5. Clique em salvar e pronto.

terça-feira, 19 de junho de 2018

domingo, 3 de junho de 2018

Explorando os sólidos geométricos com os pequenos

Objetivo(s) 

  • Compreender propriedades básicas dos sólidos geométricos
  • Conhecer o nome de alguns sólidos

Conteúdo(s) 

Sólidos geométricos

Ano(s) 

Creche, Pré-escola

Tempo estimado 

Cinco aulas

Material necessário 

Caixas de papelão e objetos de tamanhos e formas variados (retangulares, cilíndricos, em forma de prisma etc.).

Desenvolvimento 

1ª etapa 
Realize uma atividade de levantamento de informações sobre os sólidos apresentando as caixas e os objetos que você levou para a classe e fazendo perguntas: quantos lados tem cada uma? Alguma delas tem lados iguais? Quais são mais parecidas entre si? Por quê? Quais são as mais adequadas para empilhar? Como se chamam?
 
2ª etapa 
Divida a classe em grupos de quatro crianças. Entregue a cada um caixas e objetos e lance o desafio: construir a torre mais alta possível com o material disponível. Explique que, para a torre não cair, eles devem debater entre si e levar em conta a forma com que os objetos têm de ser usados. Durante a tarefa, você pode propor algumas questões: como posicionar um cilindro para fazer que a pilha continue a subir? Uma embalagem de CD fica mais alta de pé ou deitada? Qual o melhor jeito para manter o equilíbrio? Verifique o critério usado pelas crianças para classificar as figuras e usá-las na construção.
3ª etapa 
Para refletir sobre a etapa anterior, proponha que a turma examine as duas construções. Na torre campeã, que tipos de caixa foram usados? Por que ela ficou mais alta? Como conseguiu sustentar o equilíbrio? Se uma das torres tiver caído, leve a classe a entender o porquê. Quais caixas foram usados na base? Eles estavam apoiados nos lados mais largos ou mais finos? Em que medida isso fez diferença?
4ª etapa 
Reúna novamente os objetos e as caixas e organize um novo jogo: agora, um dos grupos terá de pegar, no menor tempo possível, o sólido descrito pelo outro grupo. A dificuldade consiste em não poder apontar o objeto. Se a criança sentir dificuldade, intervenha, perguntando, por exemplo, quantos lados tem o objeto, se são iguais etc.
5ª etapa 
Registre num cartaz as perguntas mais importantes que a turma formulou para diferenciar um sólido do outro. Com base nessas diferenças, apresente os nomes de alguns sólidos (cubo, paralelepípedo, cilindro, esfera, pirâmide e prisma são os principais) e proponha às crianças jogar de novo - dessa vez, relembrando as perguntas e os novos nomes aprendidos. No fim, promova uma reflexão coletiva: ficou mais fácil jogar com as novas dicas?

Avaliação 

Avalie a evolução de cada criança em termos da caracterização dos diferentes sólidos e do vocabulário específico (verifique, por exemplo, se indicativos genéricos do tipo "aquele ali" e "a figura pontuda" foram substituídos por outros mais próximos da linguagem geométrica). Se a turma apresentar dificuldades, retome as atividades com algumas variações, trabalhando com duplas, em vez de grupos, e propondo desafios diferentes, como localizar a pirâmide, em vez do cubo, no meio dos sólidos.
Créditos: Priscila Monteiro Formação: Coordenadora da formação em Matemática da prefeitura de São Caetano do Sul, SP, e formadora do projeto Matemática É D+.
https://novaescola.org.br/conteudo/6113/explorando-os-solidos-geometricos-com-os-pequenos

Formigas trabalhadoras

Objetivo(s) 

- Conhecer a rotina de um formigueiro e sua organização social.
- Promover o contato com o procedimento científico por meio da pesquisa e da observação.

Conteúdo(s) 

Formigas: organização e divisão de tarefas.

Ano(s) 

Creche, Pré-escola

Tempo estimado 

Um mês.

Material necessário 

Livros, jornais, revistas, fotografias, ilustrações e DVDs sobre formigas, agenda, três potes com tampas furadas com agulhas e duas mangueiras plásticas transparentes, algodão, água, açúcar, um formigueiro pequeno, folhas e flores.

Desenvolvimento 

1ª etapa 
Visite um jardim para que os pequenos observem as formigas e contem o que sabem sobre elas. Outra opção é levar algumas para a sala, em potes com terra e tampas furadas (para permitir que os animais respirem). Com base no que for dito, levante outras questões sobre a rotina desses animais. Use a agenda para registrar, a partir de então, as observações dos pequenos.
2ª etapa 
Reorganize o formigueiro: com as mangueiras, conecte os potes entre si, em linha reta. No do centro, ponha o formigueiro. Reserve o da esquerda para as folhas e flores. Deixe o último vazio, pois será nele que as formigas vão depositar o lixo da colônia e as que morrerem. Proponha que as crianças pesquisem se as formigas realmente comem açúcar e onde conseguem os alimentos. Partindo das respostas delas, coloque o algodão umedecido com água e açúcar no pote da esquerda, junto com as folhas e as flores, que devem ser substituídas por novas semanalmente para não mofar.
3ª etapa 
Ainda com os materiais ao alcance de todos, ajude a turma a organizar as informações reunidas até o momento. Peça que as crianças ditem para você textos sobre as descobertas e selecionem imagens a fim de organizar cartazes para expor na sala. Anote tudo na agenda, inclusive os comentários das crianças sobre o formigueiro.
4ª etapa 
Conte a história A Cigarra e a Formiga. Converse sobre a divisão dos trabalhos apresentados no conto e estimule a turma a comparar com as informações pesquisadas: a rainha é a responsável pela reprodução, os soldados pela defesa da colônia e as operárias pela limpeza e busca de alimentos. Todas as formigas têm o mesmo trabalho da representada no conto?
5ª etapa 
Organize uma visita a um centro de estudos sobre formigas para observar formigueiros maiores, de diferentes espécies, conversar com biólogos e aprender detalhes sobre o trabalho dos insetos sociais.
6ª etapa 
Revise o conteúdo anotado na agenda para organizar outros cartazes. Se ainda existirem questões sem respostas, prossiga a pesquisa.

Avaliação 

Avalie os conhecimentos que as crianças tinham a respeito do assunto antes e o que sabem agora, relendo as anotações da agenda e analisando a colaboração de cada uma na organização dos cartazes. Elas devem saber as funções ocupadas pelas formigas e as diferenças entre as apresentadas em livros infantis e as reais. E têm de ser capazes de comparar as operárias, os soldados e a rainha com a sociedade humana, ressaltando diferenças e semelhanças.
Créditos: Denise Tonello Formação: Coordenadora pedagógica do Colégio Miguel de Cervantes, em São Paulo, SP.
https://novaescola.org.br/conteudo/6156/formigas-trabalhadoras

Descobrindo o livro e o prazer em ouvir histórias

Objetivo(s) 

  • Criar o hábito de escutar histórias.
  • Favorecer momentos de prazer em grupo.
  • Enriquecer o imaginário infantil
  • Favorecer o contato com textos de qualidade literária.
  • Valorizar o livro como fonte de entretenimento e conhecimento.

Para crianças de até 1 ano 
  • Dirigir-se aos livros por meio de falas, gestos, balbucios (gritinhos, sorrisos, vocalizações, entre outros) e expressões faciais.
  • Imitar sons com base na fala do educador.
  • Estabelecer situações comunicativas significativas com adultos e outras crianças do grupo.
  • Reconhecer o livro como portador de história, manifestando prazer ao explorá-lo e ao ser convidado pelo professor para escutar o que será lido.
  • Ouvir o professor com progressiva atenção.


Para crianças de até 3 anos 
  • Ampliar repertório de palavras e histórias conhecidas.
  • Construir frases e narrativas com base nas conversas sobre os livros.
  • Entreter-se com leituras mais longas participando atentamente.
  • Reconhecer e nomear alguns livros.
  • Manipular o livro, folheando as páginas e fazendo referências às imagens.
  • Cuidar do livro e valorizá-lo.
  • Imitar o adulto lendo histórias.

Tempo estimado 

Todos os dias

Material necessário 

  • Livros de literatura
  • almofadas
  • bebês-conforto

Desenvolvimento 

1ª etapa 
O trabalho começa com a sua preparação. Selecione livros com textos bem elaborados e ilustrações de qualidade. As histórias devem ter estruturas textuais repetitivas que favorecem a compreensão e a memorização. Programe-se para disponibilizar os livros em diferentes momentos da rotina. Promova conversas sobre eles fazendo perguntas e descrições, destacando os personagens e retomando as partes que as crianças consideram mais queridas. Após apresentar um livro novo, repita a leitura dele várias vezes para que a turma possa se apropriar da narração, memorizar partes da história e interagir com seu conteúdo. Alterne, na semana, a leitura de histórias repetidas e a introdução de novas. Esteja sempre atento às iniciativas das crianças e responda a elas por meio da fala, de gestos e de expressões faciais. Sempre promova conversas entre as crianças sobre o que foi lido.
2ª etapa 
Leia o livro para conhecer bem a história. Treine a entonação e a fluência da leitura lendo em voz alta para si mesmo antes de apresentá-lo aos pequenos. Prepare o espaço para que todos fiquem confortáveis. Eles podem deitar-se entre almofadas, sentar-se em roda ou no bebê-conforto. É importante que todos consigam ver o livro. Apresente-o para o grupo destacando as informações da capa (título, ilustração, nome do autor, ilustrador etc.). Faça uma breve apresentação da história despertando o interesse em escutá-la. Leia de forma fiel ao texto e vá mostrando as ilustrações conforme lê. No fim, converse com as crianças sobre a história: pergunte se e do que gostaram, volte às partes comentadas, mostre novamente as ilustrações e deixe que elas explorem o livro.
3ª etapa 
Leia a mesma história nos outros dias observando sempre o interesse do grupo. Observe se solicitam a leitura do livro. Sempre que for iniciar a atividade, cuide do espaço garantindo que este seja sempre um momento confortável e prazeroso. Mostre o livro às crianças e pergunte se lembram da história: pergunte sobre o título, os personagens e os acontecimentos que lembram. Só então conte novamente a história. Essa atividade pode ocorrer em média três vezes na semana.
4ª etapa 
Prepare-se para a apresentação de um novo livro realizando os mesmos procedimentos relatados na atividade 1. Inicie conversando com as crianças sobre aquele que já conhecem. Conte que irá apresentar uma nova obra que tem uma história diferente. Repita o que foi destacado anteriormente durante a leitura e a conversa sobre a história
 
Quer saber mais?
Bibliografia 
A Casa Sonolenta, Audrey Wood, 32 págs., Ed. Ática, tel. 0800-115-152, 20,90 reais
Bruxa, Bruxa, Venha a Minha Festa, Arden Druce, 32 págs., Ed. Brinque-Book, tel. (11) 3032-6436, 37,50 reais
Como os Dinossauros Dizem Boa Noite?, Jane Yolen, 32 págs., Ed. Globo, tel. (11) 6198-1488, 21 reais
Da Pequena Toupeira que Queria Saber Quem Tinha Feito Cocô na Cabeça Dela, Werner Holzwart, 24 págs., Ed. Companhia das Letras, tel. (11) 3707-3500, 25 reais
Educação de 0 a 3 Anos: O Atendimento em Creches, Elinor Goldschmied e Sonia Jackson, 312 págs., Ed. Artmed, tel. 0800-703-3444, 59 reais
O Caso do Bolinho, Tatiana Belinky, 32 págs., Ed. Moderna, tel. 0800-17-2002, 22,50 reais
O Coletivo Infantil em Creches e Pré-escolas: Falares e Saberes, Ana Lúcia Goulart de Faria (org.), 120 págs., Ed. Cortez, tel. (11) 3611-9616, 18 reais
O Porco Narigudo: Um Livro de Dobraduras, Keith Faulkner, 16 págs., Ed. Companhia das Letras, 42 reais
O Ratinho, o Morango Vermelho Maduro e o Grande Urso Esfomeado, Audrey Wood, 32 págs., Ed. Brinque-Book, 27,50 reais
O Sapo Bocarrão: Um livro com Dobraduras Surpresas, Keith Faulkner, 12 págs., Ed. Companhia das Letras, 42 reais
O Soluço do Lúcio: Um livro de Dobraduras, Keith Faulkner, 14 págs., Ed. Companhia das Letras, 42 reais
Os Fazeres na Educação Infantil, Maria Clotilde Rossetti-Ferreira (org.), 199 págs., Ed. Cortez, 35 reais
Tanto, Tanto! Trish Coocke, 48 págs., Ed. Ática, 40,90 reais

Avaliação 

Verifique se as crianças ficam atentas a sua fala e às ilustrações. Veja se conseguem comentar a história com os colegas e se respondem às perguntas feitas sobre um livro já conhecido. Observe se conseguem se lembrar se algum título conhecido quando perguntado.
Créditos: Beatriz Ferraz Formação: Coordenadora de projetos de formação da Escola de Educadores e coordenadora pedagógica do Centro de Educação e Documentação para Ação Comunitária (Cedac)
https://novaescola.org.br/conteudo/5925/descobrindo-o-livro-e-o-prazer-em-ouvir-historias

Como tirar as crianças das fraldas e levá-las ao uso do vaso sanitário

Objetivo(s) 

  • Favorecer um processo tranqüilo de retirada de fraldas para as crianças, respeitando ritmos e necessidades
  • Auxiliar a equipe a construir competências para o bom acompanhamento do processo
  • Promover um diálogo com as famílias, favorecendo ações em conjunto com a creche

Ano(s) 

Creche, Pré-escola

Tempo estimado 

O ano todo

Desenvolvimento 

1ª etapa 
O trabalho deve ser iniciado com a articulação com as famílias. Em reunião com pais ou responsáveis, compartilhe informações sobre a retirada das fraldas. Ressalte três pontos importantes: o primeiro é que a iniciativa deve partir das crianças e é uma importante conquista na vida delas. O segundo é que os adultos devem ficar atentos aos sinais de que ela já está pronta. E o terceiro é que as ações em casa e na creche devem ser coordenadas. Quanto mais a instituição se colocar como parceira, aberta para esclarecer dúvidas e disponível para ajudar na resolução de problemas, mais tranqüilo e bemsucedido será o processo.
2ª etapa 
Um ou dois meses depois da primeira reunião, chame os pais para conversar individualmente ou em pequenos grupos. Estabeleça decisões para dar início à retirada de fraldas de cada criança: para algumas, será o caso de manter só à noite; para outras, será preciso esperar mais.

 
3ª etapa 
Com os professores e a equipe de funcionários, realize encontros de formação para que eles compreendam como se dá o processo de abandono das fraldas. Estabeleça os principais procedimentos - o mais importante é a criação de uma rotina específica para que todos possam ir ao banheiro.

4ª etapa 
Na sala, o processo precisa ser flexível para respeitar as fases de cada um. A professora pode convidar a turma para ir ao banheiro, em média, a cada 30 minutos. É importante combinar essa atividade com outras para os que já utilizam o vaso normalmente. Para incentivar a troca de informações sobre essa fase, promova conversas com as crianças e escute seus comentários.

 

Avaliação 

Observe junto com os colegas e os pais a evolução de cada criança. Acolha as que demonstram mais dificuldade, ouça suas angústias e evite que se sintam repreendidas ao deixar "escapar" um xixi ou cocô.
Créditos: Beatriz Ferraz Formação: Coordenadora da Escola de Educadores, em São Paulo.
https://novaescola.org.br/conteudo/5768/como-tirar-as-criancas-das-fraldas-e-leva-las-ao-uso-do-vaso-sanitario

CANAL PEDAGÓGICO

Comente: