Seguidores

Pesquisar este blog

PARA SALVAR AS IMAGENS, CLIQUE NAS IMAGENS PARA VISUALIZAR MELHOR.

1. Escolha a imagem;
2. Clique no botão direito do mouse;
3. Escolha a opção “Salvar Imagem Como ...”
4. Escolha o local a ser salvo a imagem;
5. Clique em salvar e pronto.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

atividades para trabalhar o meio ambiente


























Projeto didático" Festa Junina"



INSTITUIÇÃO:
TURMA: Maternal II
TURNO: Vespertino
PROFESSORA: Cláudia
TEMA: FESTA JUNINA
DURAÇÃO DO PROJETO: Início:          Término:
DIREÇÃO:

JUSTIFICATIVA:
Este projeto didático visa destacar para os alunos o conceito de Festa Junina e sua origem, os santos comemorados em junho, em todo o Brasil, desde o período colonial: Santo Antônio, São João e São Pedro. Destacar ainda que no nordeste brasileiro principalmente, estes santos são reverenciados e pode-se dizer que a importância destas festas, para as populações nortista e nordestina, ultrapassa a do Natal, principal festa cristã, e que elas são, historicamente, o evento festivo mais importante destas regiões, tanto cultural como politicamente. Explicar para os mesmos que as festas juninas gira em torno de três datas principais: 13 de junho, festa de Santo Antônio; 24 de junho, São João e 29 de junho, São Pedro e, que durante este período, o país fica praticamente tomado por festas. De norte a sul do Brasil comemoram-se os santos juninos, com fogueiras e comidas típicas. Explicar para os alunos que é interessante notar que não apenas o dia, propriamente dito, mas todo o mês, é considerado como tempo consagrado a estes santos na região e, principalmente, as vésperas , que é quando se realizam os sortilégios e simpatias, a parte mágica da festa típica do catolicismo popular. Inúmeras adivinhações a respeito dos amores e do futuro (com quem se vai casar, se se é amado ou amada, quantos filhos se vai ter, se vai morrer jovem ou ganhar dinheiro etc.) são feitas nas vésperas do dia dos santos, em geral de madrugada.

OBJETIVOS:
Levar os alunos à:
- conhecer as características das festas juninas em diferentes regiões do país;
- valorizar e demonstrar atitudes de respeito ao trabalho e ao homem do campo;
- desenvolver o interesse e gosto pela tradição;
- planejar a realização de uma Festa Junina;
- resgatar a memória das Festas Juninas;
- enriquecer o conhecimento dos alunos quanto à história das Festas Juninas;
- distinguir a diferença dos costumes das Festas Juninas no Brasil e no mundo;
- sociabilizar os alunos;
- desenvolver o ritmo, compasso e criatividade;
- conhecer a história dos santos padroeiros: Santo Antonio, São João e São Pedro.
ORNAMENTAÇÃO DA SALA: Mural com bandeirinhas e balões, chapéus de palha, etc.
CONTEÚDOS: As festas juninas: características, roupas típicas, danças, alimentos.

DESENVOLVIMENTO:
Montagem de painés juninos para enfeitar a sala de aula.
Leitura de textos informativos.
Leitura de poesias e/ou músicas juninas.
Leituras de textos criativos.
Montagem de cartazes e convites.
Confecção de enfeites juninos.
Conscientização do perigo de soltar balões.
Colagem de gravuras relacionadas com o tema.
Pintura de gravuras relacionadas com o tema.
Brincadeiras envolvendo a expressão corporal relacionada com o tema.

RECURSOS DIDÁTICOS:
Cartazes;
Papel manilha;
Sulfite;
Cola;
Tinta guache;
Lápis de cor;
EVA,
TNT;
Tesoura;
Pincel;
Crepom;
CDs;
Aparelho de som;
Televisão;
Fantasias;

METODOLOGIA:
As atividades serão desenvolvidas de forma coletiva e individual com os alunos envolvendo a interação professor com os mesmos durante as atividades propostas.

CULMINÂNCIA:
O projeto será finalizado com a realização de danças em sala relacionada com o tema e pipoca para os alunos.

AVALIAÇÃO:
A avaliação será através de registro em relação a aprendizagem individual e coletiva dos alunos frente as atividades propostas durante o desenvolvimento do projeto.

ORIGEM DA FESTA JUNINA
De acordo com historiadores, esta festividade foi trazida para o Brasil pelos portugueses, ainda durante o período colonial (época em que o Brasil foi colonizado e governado por Portugal).
Nesta época, havia uma grande influência de elementos culturais portugueses, chineses, espanhóis e franceses. Da França veio a dança marcada, característica típica das danças nobres e que, no Brasil, influenciou muito as típicas quadrilhas. Já a tradição de soltar fogos de artifício veio da China, região de onde teria surgido a manipulação da pólvora para a fabricação de fogos. Da península Ibérica teria vindo a dança de fitas, muito comum em Portugal e na Espanha.
Todos estes elementos culturais foram, com o passar do tempo, misturando-se aos aspectos culturais dos brasileiros (indígenas, afro-brasileiros e imigrantes europeus) nas diversas regiões do país, tomando características particulares em cada uma delas.
Festas Juninas no Nordeste Embora sejam comemoradas nos quatro cantos do Brasil, na região Nordeste as festas ganham uma grande expressão. O mês de junho é o momento de se fazer homenagens aos três santos católicos: São João, São Pedro e Santo Antônio. Como é uma região onde a seca é um problema grave, os nordestinos aproveitam as festividades para agradecer as chuvas raras na região, que servem para manter a agricultura.
Além de alegrar o povo da região, as festas representam um importante momento econômico, pois muitos turistas visitam cidades nordestinas para acompanhar os festejos. Hotéis, comércios e clubes aumentam os lucros e geram empregos nestas cidades. Embora a maioria dos visitantes seja de brasileiros, é cada vez mais comum encontrarmos turistas europeus, asiáticos e norte-americanos que chegam ao Brasil para acompanhar de perto estas festas.
Comidas típicas Como o mês de junho é a época da colheita do milho, grande parte dos doces, bolos e salgados, relacionados às festividades, são feitos deste alimento. Pamonha, cural, milho cozido, canjica, cuzcuz, pipoca, bolo de milho são apenas alguns exemplos. Além das receitas com milho, também fazem parte do cardápio desta época: arroz doce, bolo de amendoim, bolo de pinhão, bombocado, broa de fubá, cocada, pé-de-moleque, quentão, vinho quente, batata doce e muito mais.
Tradições As tradições fazem parte das comemorações. O mês de junho é marcado pelas fogueiras, que servem como centro para a famosa dança de quadrilhas. Os balões também compõem este cenário, embora cada vez mais raros em função das leis que proíbem esta prática, em função dos riscos de incêndio que representam.
No Nordeste, ainda é muito comum a formação dos grupos festeiros. Estes grupos ficam andando e cantando pelas ruas das cidades. Vão passando pelas casas, onde os moradores deixam nas janelas e portas uma grande quantidade de comidas e bebidas para serem degustadas pelos festeiros.
Já na região Sudeste são tradicionais a realização de quermesses. Estas festas populares são realizadas por igrejas, colégios, sindicatos e empresas. Possuem barraquinhas com comidas típicas e jogos para animar os visitantes. A dança da quadrilha, geralmente ocorre durante toda a quermesse.
Como Santo Antônio é considerado o santo casamenteiro, são comuns as simpatias para mulheres solteiras que querem se casar. No dia 13 de junho, as igrejas católicas distribuem o “pãozinho de Santo Antônio”. Diz a tradição que o pão bento deve ser colocado junto aos outros mantimentos da casa, para que nunca ocorra a falta. As mulheres que querem se casar, diz a tradição, devem comer deste pão.

CAPELINHA DE MELÃOautor: João de Barros e Adalberto Ribeiro
Capelinha de melãoé de São João.É de cravo, é de rosa, é de manjericão.São João está dormindo,não me ouve não.Acordai, acordai, acordai, João.Atirei rosas pelo caminho.A ventania veio e levou.Tu me fizeste com seus espinhos uma coroa de flor.
__________________________________________
PEDRO, ANTÔNIO E JOÃ
Oautor: Benedito Lacerda e Oswaldo Santiago
Com a filha de JoãoAntônio ia se casar,mas Pedro fugiu com a noivana hora de ir pro altar.A fogueira está queimando,o balão está subindo,Antônio estava chorandoe Pedro estava fugindo.E no fim dessa história,ao apagar-se a fogueira,João consolava Antônio,que caiu na bebedeira.
__________________________________________
BALÃOZINHO
Venha cá, meu balãozinho.Diga aonde você vai.Vou subindo, vou pra longe, vou pra casa dos meus pais.Ah, ah, ah, mas que bobagem.Nunca vi balão ter pai.Fique quieto neste canto, e daí você não sai.Toda mata pega fogo.Passarinhos vão morrer.Se cair em nossas matas, o que pode acontecer.Já estou arrependido.Quanto mal faz um balão.Ficarei bem quietinho, amarrado num cordão.
__________________________________________
SONHO DE PAPELautor: Carlos Braga e Alberto Ribeiro
O balão vai subindo, vem caindo a garoa.O céu é tão lindo e a noite é tão boa.São João, São João!Acende a fogueira no meu coração.Sonho de papel a girar na escuridãosoltei em seu louvor no sonho multicor.Oh! Meu São João.Meu balão azul foi subindo devagarO vento que soprou meu sonho carregou.Nem vai mais voltar.
__________________________________________

PULA A FOGUEIRAautor: João B. Filho
Pula a fogueira Iaiá, pula a fogueira Ioiô.Cuidado para não se queimar.Olha que a fogueira já queimou o meu amor.Nesta noite de festançatodos caem na dançaalegrando o coração.Foguetes, cantos e troca na cidade e na roçaem louvor a São João.Nesta noite de folguedotodos brincam sem medoa soltar seu pistolão.Morena flor do sertão, quero saber se tu ésdona do meu coração.
__________________________________________
CAI, CAI, BALÃOCai, cai, balão.Cai, cai, balão.Aqui na minha mão.Não vou lá, não vou lá, não vou lá.Tenho medo de apanhar.

Ingredientes:
1 xícara de arroz lavado e escorrido 4 xícaras de leite 1 xícara de açúcar 2 colheres de sopa de água de rosas ou flor de laranjeira 1 colher de sopa de canela em pó Modo de Preparo: Numa panela, coloque o arroz e o leite, misture, leve ao fogo alto e deixe ferver. Reduza o fogo para brando e cozinhe, mexendo sempre com uma colher de pau para a mistura não grudar no fundo da panela, por cerca de 50 minutos ou até o arroz ficar macio. Acrescente o açúcar e a água de rosas ou flor de laranjeira, misture bem e tire do fogo. Coloque o arroz-doce numa travessa, polvilhe com canela e sirva.
**************************************************
Bolinho de mandioca com queijo e ervas
Ingredientes:
1 kg de mandioca descascada e picada3 xícaras (chá) de leite 1 colher (sopa) de manteiga 2 ovos 1 colher (sobremesa) de fermento em pó 1 e 1/2 xícara (chá) de farinha de trigo 200 g de mussarela moída2 colheres (sopa) de sálvia picada2 colheres (sopa) de tomilho fresco picadoóleo para friturasal Modo de Preparo: Coloque em uma panela a mandioca e o leite e cozinhe, em fogo baixo, por 35 minutos, ou até o leite evaporar e a mandioca se desfazer. Retire, passe a mandioca, ainda quente, no espremedor e transfira a massa obtida para uma tigela. Misture a manteiga, os ovos, o fermento e o sal. Reserve. À parte, peneire a farinha de trigo e, aos poucos, acrescente a massa de mandioca mexendo sempre com uma colher. Se necessário, junte mais farinha de trigo. A massa deve ficar unida e desprender das mãos. Reserve. Em uma tigela, misture a mussarela, a sálvia e o tomilho e reserve. Para fazer os bolinhos, estenda um pouco de massa na palma da mão enfarinhada, coloque um pouco da mistura de mussarela e enrole sem deixar aberturas ou dobras. Frite os bolinhos em uma panela com óleo bem quente até dourarem. Retire e coloque-os sobre papel toalha para eliminar o excesso de gordura. Sirva os bolinhos com salada verde. Se preferir, salpique mussarela ralada no momento de servir.

******************************************************************

Bolo de batata-doce e coco
Ingredientes:
1 xícara (chá) de açúcar 1 tablete de manteiga (200 g)1 e 1/2 xícara (chá) de farinha de trigo 3 ovos 1 colher (sopa) de fermento em pó 2 vidros pequenos de leite de coco 2 vidros pequenos de leite de coco (400 g)2 colheres (sopa) de raspas de limão 370 g de batata-doce roxa cozida e amassada1 xícara (chá) de coco em flocos Modo de Preparo: Bata na batedeira a manteiga (reserve 1 colher de sopa), o açúcar e as raspas de limão por 3 minutos, ou até obter um creme homogêneo. Sem parar de bater, junte as gemas uma a uma. Adicione a batata-doce, a farinha de trigo, o coco e o leite de coco e bata mais um pouco. Por fim, incorpore as claras batidas em neve e o fermento em pó, misturando delicadamente.
Com a manteiga reservada, unte uma fôrma redonda, de 25 cm de diâmetro, e polvilhe com farinha de trigo. Despeje a massa e leve para assar em forno médio, preaquecido, por 45 minutos, ou até que enfiando um palito, ele saia limpo. Se preferir, salpique coco na superfície para decorar.
*******************************************************
BOLO DE MILHO
Ingredientes
1 e 1/2 xícara (chá) de farinha de milho pré-cozida1/2 xícara (chá) de farinha de mandioca 10 colheres (sopa) de açúcar 2 xícaras (chá) de leite desnatado 5 colheres (sopa) de manteiga 1/2 xícara (chá) de coco fresco ralado Modo de Preparo: Coloque no processador as farinhas de milho e a de mandioca e o açúcar. Bata por 2 minutos, ou até obter uma farinha mais fina. Retire e passe a mistura por uma peneira. Reserve. Coloque o leite, a manteiga e o coco em uma panela. Leve ao fogo por 3 minutos, ou até ferver. Retire do fogo e despeje, aos poucos, e sem parar de mexer, sobre os ingredientes secos peneirados. Mexa vigorosamente até ficar homogêneo. Forre com um pedaço de pano fino, de preferência musseline, a parte de cima de uma cuscuzeira, com 20 cm de diâmetro. Coloque a massa e reserve. Coloque 500 ml de água na parte de baixo da cuscuzeira e leve ao fgo por 3 minutos, pu até ferver. Encaixe a cuscuzeira, tampe a panela e reduza o fogo. Cozinhe em fogo baixo por 50 minutos, ou até a massa ficar macia. Retire do fogo e desenforme com cuidado. Se preferir, polvilhe com canela em pó ou sementes de erva-doce. Sirva com mel ou melado. (Fonte: Revista Água na Boca)
****************************************************
Canjica com coco
Ingredientes:
1 xícara de canjica 1 xícara de leite de coco 3 xícaras de leite 1 xícara de açúcar 1 canela em pau Modo de Preparo: Coloque a canjica de molho em água fria por 8 horas. Escorra e coloque em uma panela juntamente com o leite e metade do açúcar. Adicione o pau de canela e leve à fervura em fogo baixo para que os grãos fiquem macios. Teste e se estiver no ponto adicione à panela o açúcar restante e o leite de coco. Ferva novamente para encorpar o líquido. Sirva quente salpicando com canela em pó.


MAÇÃ DO AMOR
Ingredientes:
8 maçãs firmes4 xícaras de açúcar 1 xícara de água 2 colheres (sopa) de glucose de milho 1 colher (sopa) de corante vermelho para alimentospalitos para sorvete Modo de Preparo: Lave e seque muito bem as maçãs. Espete os palitos na parte superior das maçãs, ao lado do talinho. Unte uma pedra de mármore ou granito com óleo vegetal. Prepare a calda misturando bem o açúcar, água e glucose. Coloque em uma panela funda e pequena (pode ser em uma leiteira), tampe e levar ao fogo, fervendo tampada por 3 minutos. Retire a tampa e ferva por aproximadamente 10 minutos ou até atingir a temperatura de 130 graus (ou ponto de vidro, pode-se testar colocando algumas gotas da calda em um copo com água gelada). Retire do fogo e acrescente o corante e balance levemente a panela para colorir todo a calda. Coloque a panela com a calda em banho-maria e mergulhe as maçãs, uma a uma segurando-as pelos palitos. Levante e deixe escorrer o excesso, coloque para esfriar sobre uma pia de mármore untada. Deixe esfriar completamente.


PÉ-DE-MOLEQUE
Ingredientes:
2 xícaras (chá) de açúcar 1/2 kg de amendoim cru1 lata de leite condensado 1 colher (café) de bicarbonato de sódio margarina para untar Modo de Preparo: Numa panela, coloque o açúcar, 2 colheres (sopa) de água e o amendoim. Leve ao fogo, mexendo de vez em quando, por 15 minutos, ou até ficar com cor de caramelo claro. Junte o leite condensado e o bicarbonato, mexendo sempre, por 5 minutos. Retire do fogo e continue mexendo por mais 5 minutos, ou até a mistura ficar opaca. Despeje a mistura numa superfície lisa, untada com a margarina e deixe amornar. Corte em quadrados e sirva.

*******************************************************
Ingredientes:
10 espigas médias de milho verde 1 e 1/2 xícara (chá) de açúcar 1 e 1/2 xícara (chá) de manteiga 1/2 xícara (chá) de leite desnatado 1 colher (chá) de canela em pó 1 pitada de sal Modo de Preparo: Ligue o forno à temperatura média. Limpe as espigas de milho, rale num ralador não muito fino (com cuidado para não atingir o sabugo), aparando numa tigela. Com uma colher, raspe os sabugos e misture com o milho ralado. Passe por uma peneira não muito fina, aparando em outra tigela. Junte o açúcar e mexa até derreter. Reserve. Leve ao fogo uma panela com a manteiga (reserve 1 colher de sopa), o leite, a canela e o sal até ferver. Retire do fogo, despeje sobre a massa de milho e mexa muito bem até ficar homogêneo (a manteiga não deve ficar separada da massa). Unte uma assadeira de 23 cm x 33 cm com a manteiga e despeje a massa. Leve ao forno por 40 minutos, ou até que enfiando um palito na pamonha ele saia limpo. Retire do forno e, assim que amornar, corte em pedaços. Fonte: Revista Menu


PIPOCA
Ingredientes:
4 colheres (sopa) de óleo vegetal1 xícara de milho para pipoca½ colher (chá) de glutamato monossódicosal Modo de Preparo: Coloque o óleo em uma panela e leve ao fogo para aquecer bem. Acrescente o milho e misture. Salpique com o glutamato e tampe a panela. Assim que o milho começar a estourar comece a balançar a panela sobre a chama para que as pipocas não queimem. Espere que todas estourem. Coloque em uma tigela e salpique com sal.


DOCE DE ABÓBORA
Ingredientes:
1 kg de abóbora descascada1 colher (sopa) de cal virgem para uso culinário4 xícaras de açúcar 2 xícaras de água 12 cravos-da-índia 1 canela em pau Modo de Preparo: Corte a abóbora em cubos de 3 cm. Desmanche a cal em 2 litros de água fria e despeje sobre as abóboras. Deixe descansar por 2 horas. Escorra e elimine a água. Lave os pedaços de abóbora em água corrente por 2 ou três vezes. Coloque o açúcar e a água em uma panela e leve à fervura, adicione os cravos e a canela. Fure de leve os pedaços de abóbora para que absorvam a calda e coloque-os na panela. Ferva em fogo baixo para que os pedaços de abóbora fiquem firmes porém macios. Retire-os com uma escumadeira e coloque em uma compoteira. Reduza a calda até o ponto de fio e despeje sobre as abóboras. Deixe esfriar antes de servir.

COCADA
Ingredientes:
250 g de açúcar refinado 250 g de coco fresco ralado100 g de leite condensado Modo de Preparo: Numa panela, leve ao fogo 200 g de açúcar, junte 60 ml de água e deixe até caramelizar levemente (dependendo da intensidade de cor que deseja dar ao doce). Adicione o coco, o açúcar restante e o leite condensado, misturando sempre com uma colher de pau até que a calda se torne espessa e em ponto de fio. Transfira para uma compoteira e decore com cravo-da-índia. Se preferir uma versão mais firme, deixe a calda encorpar mais, despeje a mistura sobre uma superfície untada com manteiga e espere resfriar para cortar.

Convites para festa Junina




+ projeto didático "Meu Querido Planeta Terra"

INSTITUIÇÃO:
TEMA: Meu Querido Planeta Terra
AREA DE CONHECIMENTO: Linguagem Oral/Escrita e Natureza/Sociedade
CONTEÚDOS:
DURAÇÃO:
TURMA: Maternal II
TURNO: vesp.
Profª: Cláudia



I-JUSTIFICATIVA

Nas últimas décadas presenciou-se a divulgação de debates nos meios de comunicação, o que sem dúvida tem contribuído para que as populações estejam alertas, mas a simples divulgação não assegura a aquisição de informações e conceitos referendados pelas ciências.
É papel da escola provocar a revisão dos conhecimentos, valorizando-os sempre e buscando enriquece-los com informações científicas.
Como conteúdo escolar, a temática ambiental permite apontar para as relações recíprocas entre sociedade e ambiente, marcadas pelas necessidades humanas, seus conhecimentos e valores. As questões específicas dos recursos tecnológicos, intimamente relacionadas às transformações ambientais são importantes conhecimentos a serem desenvolvidos.
O essencial é desenvolver atividades que colaborem na formação do pensamento científico. Ou seja, aproveitar as informações que os alunos já dispõem para produzir a sistematização e a linguagem apropriada. No processo, é indispensável manipular hipóteses e explicações para os fenômenos, o que é sempre mais divertido.

II-OBJETIVO GERAL:

Criar diversas estratégias de ensino que levem os estudantes à entenderem a natureza, a ação do homem sobre ela e as conseqüências dessa interferência no dia-a-dia. Estimular a reflexão individual e coletiva dos educandos sobre problemas ambientais.

III-OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

Levar os estudantes à:
-Reconhecer as características do meio ambiente;
-Observar as relações entre os Seres Vivos e o Ambiente;
-Identificar alguns materiais da natureza utilizados pelo homem, bem como dos objetos por ele produzidos;
-Reconhecer a presença do ar e da água na natureza e a importância destes elementos;
-Reconhecer a importância do solo para os seres vivos;
-Conhecer os diversos tipos de poluição de ar e das águas;
-Coletar dados referentes ao ambiente em que vivemos;
- Revisar as cores;
- Revisar o conceito de “perto e longe”.
- Desenvolver a coordenação motora fina;
- Desenvolver a expressão corporal;
- Desenvolver a linguagem oral;
- Adquirir o gosto pela arte;
-Adquiri o gosto pelos contos infnatis.

IV-METODOLOGIA UTILIZADA:
Coletar os conhecimentos prévios dos estudantes em relação ao tema em destaque.
Levar os estudantes alunos à observar o ambiente à sua volta e coletar materiais através de passeios e de visitas;
Promover discussões em sala de aula sobre o tema acima;
Realizar experiências, pesquisas e exposições.

V-RECURSOS UTILIZADOS:
Gravuras, CDs, aparelho de som, lápis de cor, fita larga, cola, sulfite, papel manilha, crepom, EVA etc.

VI-DESENVOLVIMENTO ( etapas-prováveis):

Leitura: literatura, textos informativos, letras de músicas, poesias; Relatórios
Conversar com os alunos sobre o tema acima, levantando os conhecimentos prévios de cada um sobre o assunto em destaque.
Desenvolver novos valores e novas atitudes em relação ao meio ambiente.
Montar um painel utilizando-se fotos de livros, revistas sobre o nosso ambiente e a relação do homem e dos animais com ele.
Destacar o conceito de preservação ambiental para os alunos e explicar aos mesmos como podemos agir para sempre preservá-lo.
Destacar através de fotos de revistas, jornais a degradação ambiental e suas conseqüências para a sobrevivência dos seres vivos.
Destacar a importância da proteção dos rios e riachos apara o abrigo de muitos animais e as conseqüências quando o homem poluem esta vegetação.
Levar os alunos a dar um passeio ao redor da escola para observar o meio ambiente, as plantas que existem alertando-os para as variáveis que influenciam o estado das plantas, como no chuva de granizo, seca e podas.
Conscientizar os alunos sobre o cultivo dos diferentes vegetais no ambiente urbano. Desta forma, os educandos podem aprender que podemos transformar positivamente o espaço e que a natureza é nosso bem maior.
Abordar com os alunos sobre o conceito os diversos tipos de Poluição que existem do ar, do solo, das águas, sonora, visual, e radioativa).

Trabalhar com os alunos a relação entre água doce existente no planeta, a água doce de fácil acesso ( rios, lagos etc.) e a água boa para consumo.


VII- CULMINÂNCIA

Os estudantes juntamente com a professora plantarão flores no jardim da escola.

VIII- AVALIAÇÃO:
A avaliação será feita através de registros por parte do professor ( a ) dos estudantes, frente as atividades tanto coletivas quanto individuais durante o desenvolvimento do projeto.

IX- REFERÊNCIA BIBLIOFRÁFICA:
Guia Prático para Professoras da Educação Infantil, junho, 2007.


Vamos cuidar da mãe Natureza preservando a vida do nosso planeta!”

Famílias sílábicas

Famílias silábicas

Veja como ressignificar esse trabalho na Educação Infantil


alfabetização tem constituído um grande desafio para quem é da área de educação. Segundo as especialistas em alfabetização, Josele Teixeira e Liliane Nunes os desafios vão muito além da filosofia e metodologia utilizada. Repousa no fato de constituir sentido e significado, de levar a criança a fazer descobertas da lógica da língua. Desafio partilhado no saber, fazer com confiança e conhecimento a realização de uma unidade capaz de subsidiar todos aqueles envolvidos com a promoção da leitura e escrita. “Lembrando que a leitura e a escrita só são importantes na escola porque são primordiais fora dela”, dizem.
Nesse sentido Josele e Liliane afirmam que ensinar as famílias silábicas, evidencia ensinar algo dinâmico, significativo e contextualizado que pode ser iniciado nos primeiros anos da vida escolar, por meio de atividades lúdicas na Educação Infantil contrapondo assim a mecanização e apresentação solitária das sílabas no Ensino Fundamental que tem esvaziado e dificultado o aprendizado da leitura e escrita.
A seguir você encontrará algumas atividades práticas sugeridas pelas especialistas para trabalhar com os alunos as famílias silábicas:

Continuar lendo....http://educacaoinfantil.uol.com.br/familias-silabicas/

















Ensinar matemática com jogos

Alunos aprendem de forma lúdica a conhecer os numerais e a diferenciá-los

Segundo a professora Renata Tormena de Paulo, do Colégio Franciscano Pio XII, para trabalhar o conceito de números, a instituição procura oferecer às crianças atividades que possibilitem o pensamento, a reflexão e a expressão de ideias.

Foto: Itaci Batista| Adaptação web Caroline Svitras

Por isso, envolvendo as crianças em um clima de investigação, ela desenvolveu uma atividade que permite trabalhar todas essas questões e fazer a alegria da criançada: os detetives dos números. Segundo Renata, a atividade proposta visa responder as indagações: “Qual a diferença entre número e letra?”, “quando usamos números e quando usamos letras?”, bem como “onde encontramos os números”? Veja como funciona e coloque em prática você também:

 Continuar lendo....http://educacaoinfantil.uol.com.br/aprender-matematica-com-jogos/
Adaptado do texto “Detetives da Matemática”
Revista Guia Prático do Professor – Educação Infantil Ed. 129

Contos de Fadas na Educação infantil

Contos de fadas na Educação Infantil

Como trabalhar o conto Rapunzel em diversas vertentes da educação infantil




                                          Fotos: Itaci Batista | Adaptação web Caroline Svitras

Por que Matemática e Alfabetização têm que ser trabalhadas de forma tão distintas? Na verdade, as duas áreas sendo trabalhadas juntas, ou pelo menos, dentro do mesmo contexto, facilita muito mais o aprendizado do aluno.
Melhor ainda, se isso vier acompanhado de um contexto que chame a atenção das crianças, como os contos de fadas. Veja, então, a sugestão da professora Janaina Spolidorio para trabalhar essas questões a partir do conto da Rapunzel.
1. Os alunos podem receber uma caixa ou um pacote com alguns objetos ou algumas figuras relativas ao conto, neste caso, Rapunzel. Dentro da caixa pode haver um chapéu de bruxa, cordas que simbolizem as tranças da Rapunzel, uma maçã, uma boneca bebê, entre outros elementos do conto.
2. A professora pergunta aos alunos se conhecem alguma história que tem esses elementos e pede que façam um “pré-conto” dela. Nessa parte, o trabalho de aprendizagens prévias é usado, possibilitando ao aluno um melhor desenvolvimento de habilidades necessárias ao raciocínio linguístico, além de ajudar a aprimorar a linguagem oral, tão necessária nos dias atuais.
3. Depois dessa “pré-contação”, a professora conta a história e reconta usando os elementos já mostrados, o que vem a enriquecer o momento da roda de histórias, tornando-a mais próxima dos alunos.
Alfabetização
Dentro do tema Rapunzel há uma infinidade de atividades que podem ser trabalhadas. É possível fazer um ditado de palavras, escrita de palavras já estabilizadas e um trabalho com frases feitas, que dá muito resultado. Ter um cartaz com frases que simbolizem partes da história é excelente para o desenvolvimento da leitura e da escrita. Você pode, por exemplo, eleger uma frase para cada parte do texto e pedir que os alunos a ilustrem. “Rapunzel, jogue-me suas tranças” – seria um exemplo de frase feita.
Continuar lendo...http://educacaoinfantil.uol.com.br/contos-de-fadas-na-educacao-infantil/
Adaptado do texto “Tranças que vão da matemática à alfabetização”
Revista Guia Prático do Professor – Educação Infantil Ed. 108
FONTE: http://educacaoinfantil.uol.com.br/contos-de-fadas-na-educacao-infantil/

Projeto didático Festa Junina


-->


TURMA:  Maternal II                                        TURNO:         
TEMA:  FESTA JUNINA
DURAÇÃO DO PROJETO: Início:                    Término:  
JUSTIFICATIVA:
Este projeto didático visa destacar para os alunos o conceito de Festa Junina e sua origem, os santos comemorados em junho, em todo o Brasil, desde o período colonial: Santo Antônio, São João e São Pedro. Destacar ainda que no nordeste brasileiro principalmente, estes santos são reverenciados e pode-se dizer que a importância destas festas, para as populações nortista e nordestina, ultrapassa a do Natal, principal festa cristã, e que elas são, historicamente, o evento festivo mais importante destas regiões, tanto cultural como politicamente. Explicar para os mesmos que as  festas juninas gira em torno de três datas principais: 13 de junho, festa de Santo Antônio; 24 de junho, São João e 29 de junho, São Pedro e, que durante este período, o país fica praticamente tomado por festas. De norte a sul do Brasil comemoram-se os santos juninos, com fogueiras e comidas típicas. Explicar para os alunos que é interessante notar que não apenas o dia, propriamente dito, mas todo o mês, é considerado como tempo consagrado a estes santos na região e, principalmente, as vésperas , que é quando se realizam os sortilégios e simpatias, a parte mágica da festa típica do catolicismo popular. Inúmeras adivinhações a respeito dos amores e do futuro (com quem se vai casar, se se é amado ou amada, quantos filhos se vai ter, se  vai morrer jovem ou ganhar dinheiro etc.) são feitas nas vésperas do dia dos santos, em geral de madrugada.
OBJETIVOS:
Levar os alunos à:
- conhecer as características das festas juninas em diferentes regiões do país;
 - valorizar e demonstrar atitudes de respeito ao trabalho e ao homem do campo;
- desenvolver o interesse e gosto pela tradição;
- planejar a realização de uma Festa Junina;
- resgatar a memória das Festas Juninas;
- enriquecer o conhecimento dos alunos quanto à história das Festas Juninas;
- distinguir a diferença dos costumes das Festas Juninas no Brasil e no mundo;
- sociabilizar os alunos;
- desenvolver o ritmo, compasso e criatividade;
- conhecer a história dos santos padroeiros: Santo Antonio, São João e São Pedro.
ORNAMENTAÇÃO DA SALA:

 Mural com bandeirinhas e balões, chapéus de palha, etc.
CONTEÚDOS:

 As festas juninas: características, roupas típicas, danças, alimentos.
DESENVOLVIMENTO:
Montagem de painés juninos para enfeitar a sala de aula.
Leitura de textos informativos.
Leitura de poesias e/ou músicas juninas.
Leituras de textos criativos.
Montagem de cartazes e convites.
Confecção de enfeites juninos.
Conscientização do perigo de soltar balões.
Colagem de gravuras relacionadas com o tema.
Pintura de gravuras relacionadas com o tema.
Brincadeiras envolvendo a expressão corporal relacionada com o tema.
RECURSOS DIDÁTICOS:
 Cartazes;
Papel manilha;
Sulfite;
Cola;
Tinta guache;
Lápis de cor;
EVA,
TNT;
Tesoura;
Pincel;
Crepom;
CDs;
Aparelho de som;
Televisão;
Fantasias;
METODOLOGIA:
As atividades serão desenvolvidas de forma coletiva e individual com os alunos envolvendo a interação professor com os mesmos durante as atividades propostas. 
CULMINÂNCIA:
O projeto será finalizado com a realização de danças em sala relacionada com o tema e pipoca para os alunos.
AVALIAÇÃO:
A avaliação será através de registro em relação a aprendizagem individual e coletiva dos alunos frente as atividades propostas durante o desenvolvimento do projeto.

Projeto Meio Ambiente na Educação Infantil

Objetivo(s) 
Objetivo Geral:
Desenvolver com as crianças ações e posturas responsáveis diante de problemas ambientais, como desperdício de água e poluição sensibilizando-os sobre a importância da preservação do Meio Ambiente, identificando as situações que causam danos à ecologia como: poluição, desmatamento, queimadas, extinção de animais e outros estimulando assim o amor pela conservação da natureza.
Objetivos Específicos:
·         Perceber os cuidados necessários à preservação da vida e do ambiente;
·         Demonstrar que a reciclagem pode trazer inúmeros benefícios;
·         Trabalhar o respeito para com a natureza e para consigo mesmo;
·         Trabalhar as diversas formas de vida existentes no meio ambiente: fauna, flora, vida marinha;
·         Conhecer as partes de uma planta;
·         Conhecer os tipos de animais;
·         Desenvolver a linguagem oral;
·         Levar a criança a valorizar o meio ambiente e identifica-se como parte integrante e agente de promoção do desenvolvimento sustentável.
·         Criar uma horta e cuidar dela.
·         Observar o desenvolvimento de um ser vivo. 
·         Valorizar o meio ambiente.

Conteúdo(s) 
  • Meio Ambiente;
  • Planta e suas partes;
  • Animais terrestres, aquáticos e aéreos;
  • Seres vivos e não vivos;

 

Ano(s) 
Creche
Pré-escola
Tempo estimado 
1 semana ou mais
Material necessário 
        ·        Vídeo: Um plano para salvar o planeta da turma da Mônica;
·         Giz de cera
·         Tinta guache tesoura cola
·         Lápis de cor
·         Papeis diferenciados
·         Pincel
·         Brinquedos
·         Fotos imagens
·         Revista
·         Folhas de árvore
·         Tnt
·         Garrafa pet
·         Livros de história
·         Folhas de árvore
·         Retalho de e.v.a
·         Lápis preto, borracha, apontador;
·         Folha de A4
·         Xerox
·         Caixa de papelão
·         Jornais velhos
·         Latinhas de leite
·         Barbante
·         Cartazes, etc. 
Desenvolvimento 
1ª etapa 
Metodologia:
  • Conversa informal sobre meio ambiente, vegetação-plantas-fotossíntese, tipos de animais, poluição ambiental, coleta de lixo, reciclagem;
  • Passeio pela comunidade e visita a algum espaço natural;
  • Fichas ilustradas;
  • Confecção do livrinho – “coleta seletiva de lixo”;
  • Murais – meio ambiente, plantas e suas partes, animais terrestres - aquáticos - aéreos;
  • Jogos – dominó, quebra-cabeça;
  • Cartaz da fotossíntese; 
  • Passar o filme: Um plano para salvar o planeta da turma da Mônica;
  • Levantar possíveis problemas ambientais vividos pela comunidade (lixos jogados pelas ruas, desperdício de água, queimadas, etc.) e pensar junto com as crianças formas de resolver os problemas;
  • Desenvolver uma atividade que os alunos terão que fazer um desenho do que podemos fazer no dia a dia para salvar nosso planeta;
  • Jogo da memória (animal e nome ou animal e primeira letra);
  • Confecção de Pé de Lata;
  • Mural ecológico (com frases sobre o meio ambiente, figuras);
  • Criação de placas para preservação do ambiente escolar;
  • Acróstico (NATUREZA) – Frases da natureza, produção de texto coletivo;
  • ABC da natureza;
  • Músicas relacionadas ao tema: Cinco Patinhos, Minhoca, Amigo Planeta, Herdeiros do Futuro, Enquanto Seu Lobo não vem, Não atire o pau no gato, etc.;
  • Historinhas relacionadas ao tema:
  • A casa do bode e da onça (Angela-Lago, PNBE 2014 Creche e Educação Infantil. Editora La);
  • É o bicho! (Jean-Claude R. Alphen, PNLD 1º ano Editora Boa Viagem);
  • O menino e o peixinho (Sonia Junqueira e Mariângela Haddad. PNBE 2014 Creche e Educação Infantil Editora Autêntica);
  • Gino Girino (Milton Célio de Oliveira Filho Theo de Oliveira. PNBE 2014 Creche e Educação Infantil. Editora Globo);
  • Sapo Comilão (Stela Barbieri e Fernando Vilela. PNBE 2014 Pré-escola e Educação Infantil. Editora DCL);
  • Rua Jardim, 75 (Ana Terra, PNBE 2010. Editora Larousse Junior);
  • Para que serve o ar? (Ana Cláudia Ramos, PNLD 1º ANO. Editora Dimensão);
  • Pingo-D’água (Eliana Sant’Anna, PNLD 1º ano. Editora Miguilim);
  • Beijo de Bicho (Rosângela Lima, PNLD 1º ano. Editora Cortez);
  • Brincadeiras:
  •  Formas (Livro: Corpo em movimento na Educação Infantil. PNBE 2013 Educação Infantil pág. 106),
  •  Deslocamentos pela floresta encantada (Livro: Corpo em movimento na Educação Infantil. PNBE 2013 Educação Infantil pág. 131),
  •  Cuidado para não cair (Livro: Corpo em movimento na Educação Infantil. PNBE 2013 Educação Infantil pág. 151)
  • Jogral;
  • Caça-palavras;
  • Bingo
  • Plantar uma horta com as crianças, e orientá-los a se responsabilizar por cuidar da mesma, fotografando cada etapa para aprimorar o aprendizado;
  • Organizar as crianças em rodinha de forma que todas possam olhar e interagir. Conversar sobre a Preservação do meio ambiente, perguntas para eles se sabem como fazer a horta;
  • Falar sobre reciclagem, a importância;
  • Discutir a ideia da seleção do lixo e o reaproveitamento de embalagens;
  • Construir um brinquedo com sucata trazida de casa, como: bi boque, o vai e vem, o pião, pé de lata, etc.;
  • Mostrar fotos coloridas, para observarem a natureza preservada e natureza poluída;
  • Fazer o desenho das lixeiras em papel pardo e organizar eles em grupo nas mesas, para que pintem com tinta guache as lixeiras ou confeccionar com caixas de papelão;
  • Fazer um mural coma as lixeiras, explicar o porquê das cores das lixeiras, orientá-los que de acordo com as normas mundiais da coleta seletiva de lixo, procede assim:
  • Coletor amarelo – metal
  • Coletor azul – papel
  • Coletor vermelho-plástico
  • Coletor verde – vidro
  • Coletor marrom – material orgânico
  • Produção de vídeos com exposição de relatos feitos pelos alunos sobre a importância de preservar e conservar o meio ambiente;
  • Realizar brincadeiras com o pé de lata;
  • Após a conversa em sala, enviar um bilhete solicitando aos pais que procurem em casa com os seus filhos: caixas, tampinhas, garrafas de plástico, caixas de ovos etc.  e enviem para a escola. Esperar dois ou três dias,  até que todos ou a maioria consiga procurar e trazer os materiais para a escola. Quando a turma trouxer o material solicitado, coloque toda a sucata em um espaço visível e discuta com os alunos como foi o processo de recolher a sucata, quem ajudou etc. Valorizar o envolvimento dos pais e dos alunos também;
  • Fazer a classificação dos materiais trazidos pelos alunos juntos a eles e organizar que eles coloquem nas lixeiras corretas que estarão no interior da sala;
  • Fazer recorte de jornais e revista de rótulos de embalagens retornáveis e colar no mural;
  • Manuseio de livros de historia;
  • Fazer uma meia lua e deixar as crianças escolher uma historia a ser contada a elas;
  • Fazer um caixa com brinquedos diferenciados para que possam brincar na hora do recreio;
  • Interpretações oral, escrita e através de desenhos dos textos lidos;
  • Exploração de musicas, danças, pinturas e dobraduras e recortes e colagens;
  • Confecção de livros coletivos e painéis;
  • Leitura de parlendas; contos; adivinhas; trava língua; poemas; rimas;
  • Exposição e exploração de cartazes sobre o tempo decomposição do lixo;
  • Explorar o ambiente, para que possa se relacionar com outras crianças;
  • Colocar a criança em contato com objetos diversos, para que possa manifestar sua curiosidade e interesse;
  • Produção de vídeos com o passo a passo das produções das crianças nas oficinas de reciclagem;
  • Desenvolvimento progressivo de hábito de higiene pessoal (escovar os dentes, lavar as mãos, tomar banho e lavar o rosto) e social (quanto a jogar o lixo no lixo e preservar o ambiente);
  • Confecção de papel machê, 
2ª etapa 
Músicas:
Cinco patinhos foram passear
Além das montanhas
Para brincar
A mamãe gritou: Quá, quá, quá, quá
Mas só quatro patinhos voltaram de lá.

Quatro patinhos foram passear
Além das montanhas
Para brincar
A mamãe gritou: Quá, quá, quá, quá
Mas só três patinhos voltaram de lá.

Três patinhos foram passear
Além das montanhas
Para brincar
A mamãe gritou: Quá, quá, quá, quá
Mas só dois patinhos voltaram de lá.

Dois patinhos foram passear
Além das montanhas
Para brincar
A mamãe gritou: Quá, quá, quá, quá
Mas só um patinho voltou de lá.

Um patinho foi passear
Além das montanhas
Para brincar
A mamãe gritou: Quá, quá, quá, quá
Mas nenhum patinho voltou de lá.

"Puxa, a mamãe patinha ficou tão triste naquele dia
Aonde será que estavam os seus filhotinhos?
Mas essa história vai ter
Um final feliz, sabe por quê?"

A mamãe patinha foi procurar
Além das montanhas
Na beira do mar
A mamãe gritou: Quá, quá, quá, quá
E os cinco patinhos voltaram de lá.

Link: http://www.vagalume.com.br/xuxa/cinco-patinhos.html#ixzz3Y8jalIFa
Minhoca
Minhoca, minhoca
Me dá uma beijoca
Não dou, não dou
Então eu vou roubar
Minho, minhoco
Você é mesmo louco
Beijou do lado errado
A boca é do outro lado
http://opovonalutafazhistoria.blogspot.com.br/2012/02/00-40-cancoes-sobre-meio-ambiente-em.html
Amigo Planeta
Amigo planeta eu não sei porque
Tem tanta gente que não cuida de você
Mas agora nós iremos te salvar
As crianças nunca vão te abandonar

Amigo planeta volte a sorrir
Sua beleza ninguém pode poluir
As estrelas e as noites de luar
As florestas e o verde-azul do mar

Vamos enfeitar nossa cidade
E acabar com a maldade
Que eles fazem com a natureza
Vamos com a força da amizade
Te levar felicidade
E derrotar toda a malvadeza

Amigo planeta eu não sei porque
Tem tanta gente que não cuida de você
Mas agora nós iremos te salvar
As crianças nunca vão te abandonar

Amigo planeta volte a sorrir
Sua beleza ninguém pode poluir
As estrelas e as noites de luar
As florestas e o verde-azul do mar

Vem! Vem viajar
Vem! Reviver
Vem! Vem ficar comigo

Vem! Vem brincar
Vem! De viver
Vem! Eu sou teu amigo

Amigo planeta volte a sorrir
Sua beleza ninguém pode poluir
As estrelas e as noites de luar
As florestas e o verde-azul do mar

Vamos enfeitar nossa cidade
E acabar com a maldade
Que eles fazem com a natureza
Vamos com a força da amizade
Te levar felicidade
E derrotar toda a malvadeza

Vem! Vem viajar
Vem! Reviver
Vem! Vem ficar comigo

Vem! Vem brincar
Vem! De viver
Vem! Eu sou teu amigo

Amigo planeta eu não sei porque
Tem tanta gente que não cuida de você
Mas agora nós iremos te salvar
As crianças nunca vão te abandonar

Amigo planeta volte a sorrir
Sua beleza ninguém pode poluir
As estrelas e as noites de luar
As florestas e o verde-azul do mar

Herdeiros do futuro

A vida é uma grande
Amiga da gente
Nos dá tudo de graça
Prá viver
Sol e céu, luz e ar
Rios e fontes, terra e mar...

Somos os herdeiros do futuro
E pr'esse futuro ser feliz
Vamos ter que cuidar
Bem desse país
Vamos ter que cuidar
Bem desse país...

Será que no futuro
Haverá flores?
Será que os peixes
Vão estar no mar?
Será que os arco-íris
Terão cores?
E os passarinhos
Vão poder voar?...

Será que a terra
Vai seguir nos dando
O fruto, a folha
O caule e a raiz?
Será que a vida
Acaba encontrando
Um jeito bom
Da gente ser feliz?...

Vamos ter que cuidar
Bem desse país
Vamos ter que cuidar
Bem desse país...

Será que no futuro
Haverá flores?
Será que os peixes
Vão estar no mar?
Será que os arco-íris
Terão cores?
E os passarinhos
Vão poder voar?...

Será que a terra
Vai seguir nos dando
O fruto, a folha
O caule e a raiz?
Será que a vida
Acaba encontrando
Um jeito bom
Da gente ser feliz?...

Vamos ter que cuidar
Bem desse país
Vamos ter que cuidar
Bem desse país...
COMO FAZER PAPEL MACHÊ PASSO A PASSO
Ingredientes
·       Jornais
·       Cola fria (branca)
·       Recipiente
·       Pincéis para dar o acabamento

Como fazer o papel machê

Rasgue o jornal em pedaços não muito grandes e coloque-os num recipiente.
1.   Derrame sobre eles água quente a fim de molhá-los bem.
2.   Deixe o papel amolecendo por 10 a 12 horas, no mínimo.
3.   Esprema com força a massa entre as mãos a fim de retirar toda a água, formando bolas que coloca no recipiente.
4.   Adicione cola e forme uma massa, de preferência, compacta.
5.   Trabalhe-a bem com as mãos e ela está pronta para ser usada. Poderá recorrer a moldes como pratos de louça velhos ou garrafas, mas também pode criar seus próprios moldes, utilizando jornal torcido. Pinte a sua peça a gosto.
Curiosidade: Os chineses, que inventaram o papel, foram os primeiros a utilizar a polpa do papel machê para moldar capacetes para a guerra. No século VIII, alguns deles foram capturados pelos árabes, durante a guerra contra a Pérsia, e como prisioneiros, ensinaram-lhes a arte de reciclar. Essa arte chegou até Marrocos, espalhando-se para a Europa, tendo sido os artesãos franceses, que iniciaram a sua utilização para fins artísticos.
Fonte: Confagri
Avaliação 
    Avaliação será contínua, através da observação diária das crianças no desempenho de suas atividades, no relacionamento com os colegas e com a professora.
Culminancia:
    A culminância do projeto será uma exposição de cartazes com o tempo de decomposição do lixo, cartão de papel reciclado, apresentação de como e feita a reciclagem do papel e a apresentação de uma peça teatral. Também será feita uma exposição de vídeos para a comunidade escolar demonstrando o passo a passo das oficinas de reciclagem.
Autor Isis Costa
Sugestões retiradas da Revista Nova Escola http://rede.novaescolaclube.org.br/planos-de-aula/projeto-meio-ambiente-na-educacao-infantil

segunda-feira, 6 de março de 2017

Planejamento de Ensino Anual Maternal II (3 a 4 anos)



INSTITUIÇÃO:
MUNICÍPIO:
TURMA: Maternal II
TURNO:
PROFª:
DIREÇÃO:
COORDENAÇÃO: 
ANO:
ÁREAS DE CONHECIMENTO:
LINGUAGEM ORAL/ESCRITA

CONTEÚDOS
  • Coordenação Motora Ampla.
  • Coordenação Motora Fina.
  • Discriminação Auditiva e Visual.
  • Expressão Oral (histórias, contos, músicas, teatro, etc).

OBJETIVOS 

  • Desenvolver os movimentos amplos: saltar, pular, andar...
  • Desenvolver os movimentos finos que envolvam as mãos, adquirindo controle e expressão gráfica com a progressão de exercícios que irão auxiliar no futuro aprendizado da escrita e da leitura.
  • Desenvolver estímulos sonoros e auditivos através de operações concretas.
  • Ampliar vocabulário e linguagem como meio de comunicação, desenvolvendo a imaginação, criatividade, organização de idéias.
  • Identificação do nome próprio.
ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS
  • Através de jogos, brincadeiras e atividades lúdicas envolvendo operações concretas.
  • Através de materiais pedagógicos, sucatas, brincadeiras, jogos e atividades visomanuais concretas (pinturas, desenhos, etc).
  • Utilização de recursos audiovisuais como: músicas, histórias, parlendas vídeo, CD, figuras, rótulos, livros, portadores de textos, etc.
  • Leituras, interpretações, cantos, conversas, brincadeiras, jogos, recursos audiovisuais, livros, materiais pedagógicos, etc.
  • Apresentação de crachás, fichas, cartazes, desenhos, jogos e brincadeiras, etc.
  • Fichas cartazes, desenhos, materiais pedagógicos, jogos e brincadeiras.
  • Materiais pedagógicos, brincadeiras, atividades visomanuais concretas, etc.
     
  • CARACTERÍSTICAS: Aproximadamente 2 a 3 anos.
  • Egocentrismo.
  • Descobertas: tato, movimentos, formas, pessoas, texturas, reprodução de sons, andar, comunicação, etc.
  • Coordenação Motora: abrir, fechar, empilhar, encaixar, puxar, empurrar, etc.
  • Fantasia, Invenção e Representação (imitação de situações conhecidas: escolinha, casinha).
  • Criatividade

TIPOS DE BRINCADEIRAS:
  • Brincadeiras referentes à educação sensório-motora (sentir/executar).
  • Exploração, canto, perguntas e respostas, esconder.
  • Brincadeiras sem regras.
  • Brincadeiras com poucas regras simples.
  • Utilização das formas básicas de movimentos (andar, correr, saltar, rolar, etc).
  • Estimulação e motivação.
  • Atividades lúdicas.
MATEMÁTICA
CONTEÚDOS
 
·         Estruturas lógicas: discriminação – comparação – identificação – cor – forma – tamanho – conjuntos – quantidade.
·         Conceito de lateralidade.
·         Orientação Temporal Espacial: antes/depois, atrás/na frente/no meio/entre, aberto/fechado, na frente/de costas, em cima/embaixo, em pé/deitado/sentado, longe/perto, direita/esquerda.
·         Coordenação Motora.
·         discriminação audiovisual.
·         Seqüência e seriação.
·         Numeração:
·          Números de 1 à 5
·         Contagem de 1 à 10

OBJETIVOS
  • Introduzir o raciocínio lógico, através de suas estruturas. 
  • Desenvolver a lateralidade através de estímulos, motivações e atividades de coordenação. 
  • Desenvolver a capacidade de situar cronologicamente os fatos para organizar seu tempo e suas ações, orientando-se também no espaço. 
  • Desenvolver coordenação motora através de atividades lúdicas, concretas, pedagógicas e visomanuais.
  •  Reconhecer e discriminar estímulos visuais, interpretando-os e associando-os.
  • Reproduzir seqüências e seriações, ex: ordenar objetos do mais alto para o mais baixo.
  •  Reconhecer e discriminar numerais. 
  • Desenvolver contagem de 1 até 10.
     
  • ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS
Utilização de materiais pedagógicos, sucatas, figuras, livros, jogos, brincadeiras,etc ...
Brincadeiras lúdicas, materiais pedagógicos, atividades audiovisuais.
Através do uso de materiais concretos, materiais pedagógicos, jogos e brincadeiras, registro de atividades.
Jogos, brincadeiras, músicas, atividades lúdicas, materiais pedagógicos, registro de atividades.
Recursos Audiovisuais: rádio, CD, TV, vídeo, músicas, histórias, cartazes, fichas.
Cartazes, fichas, jogos, brincadeiras, materiais pedagógicos, atividades lúdicas e de registro.
Materiais pedagógicos e concretos, jogos, brincadeiras, cartazes, fichas, desenhos, etc.
Devemos desenvolver na criança a capacidade de pensar logicamente.
Trabalhar problemas relacionados ao seu cotidiano para melhor entendimento do meio em que vive.
A Matemática pode ser considerada uma linguagem simbólica que expressa relações espaciais e de quantidade. Sua função é pois, desenvolver o “pensamento”
A medida que brinca com formas, com quebra-cabeças e com caixas que cabem dentro de caixas, a criança adquire uma noção do conceito pré-simbólico de tamanho, número e forma. Ao enfiar contas em um barbante ou colar figuras, adquire a noção de seqüência e de ordem. E quando utiliza as palavras “não cabe” e “acabou”, vai adquirindo a noção de quantidade. 

NATUREZA/SOCIEDADE
CONTEÚDOS   
  • Estimular o cuidado com a natureza. 
  •  Nomear e reconhecer diferentes animais. 
  •  Datas Comemorativas: Carnaval,  Páscoa, Dia do Índio, Dia das Mães, Festa Junina, Dia dos Pais, Folclore, Independência, Dia das Crianças, Primavera, Dia da Árvore, Dia do Soldado, Consciência Negra,  Natal e outros.
  •  Calendário (relação espaço tempo)., Família e Escola (ambiente/colegas).

OBJETIVOS
·         Desenvolver noção de hoje, ontem e amanhã, bem com o dia, a noite a relação com espaço/tempo. 
·         Identificar, nomear e reconhecer a família e sua importância.
·          Estimulação do meio ambiente físico.

ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS

 Plantação de mudas e flores.Através de figuras, desenhos, gestos musicais e histórias.
 Contar histórias sobre o significado das Datas Comemorativas e a produção de lembrancinhas que traduzam a data em questão.
Produção de Calendário e exercício do mesmo ao iniciar a aula (manhã e tarde), e aniversários das crianças.
Nomeação, explicação e cartazes, através de estimulação de situação problema que envolva o conceito família.
Jogos e brincadeiras que explorem o ambiente e colegas.


CONTEÚDOS

IIDENTIDADE/AUTONOMIA PESSOAL
·         Higiene Corporal (mãos, dentes, uso do banheiro).
·         Esquema corporal.
·         Órgãos dos sentido: olhos (discriminação visual), ouvidos (discriminação auditiva), tato, olfato e paladar.
OBJETIVOS
·         Desenvolver capacidade de auto-higiene corporal.
·         Identificar, reconhecer, localizar e nomear partes do próprio corpo.
·         Estimulação dos 5 sentidos.
·         Discriminação entre liso e áspero.
·         Apresentação de diferentes alimentos, diferenciando de doce e salgados.

ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS
Incentivar o lavar as mãos, escovar os dentes e ir ao banheiro sozinho, sempre que necessário, através de músicas e histórias que despertem o interesse das crianças.
Utilizando quebra-cabeça, músicas, figuras, bonecas e nomeação que desenvolvam o reconhecimento do corpo humano.
Exercícios, atividades e jogos que desenvolvam a visão, audição, tato e gustação.
Através de objetos que mostrem tais diferenças, estimulando jogos e atividades.
Apresentação de alimentos.

OBJETIVOS SÓCIO-EMOCIONAIS

·         Desenvolve hábitos de asseio: pedir para ir ao banheiro, lavar as mãos, limpar o nariz, etc.
·         Habitua-lo a usar os clichês sociais. Exemplo: Por favor, muito obrigado, com licença, etc.
·         Permitir que a criança seja independente.
·         Deixa-la explorar ao máximo os objetos e brinquedos.
·         Levar a criança a brincar com os outros do grupo.
·         Fazer com que a criança não fixe em um único colega.
·         Mantê-la ocupada.
·         Levar a criança a participar das atividades de grupo.

AVALIAÇÃO

Avaliação será contínua, através da observação diária da criança, no desempenho de suas atividades, no desenvolvimento da atenção, interesse assimilação e aprendizagem. O instrumento de avaliação será um relatório descritivo do desenvolvimento da aprendizagem da criança durante as atividades propostas em cada bimestre que será entregue a Coordenação Pedagógica

CANAL PEDAGÓGICO

Comente:

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também