Seguidores

Pesquisar este blog

PARA SALVAR AS IMAGENS, CLIQUE NAS IMAGENS PARA VISUALIZAR MELHOR.

1. Escolha a imagem;
2. Clique no botão direito do mouse;
3. Escolha a opção “Salvar Imagem Como ...”
4. Escolha o local a ser salvo a imagem;
5. Clique em salvar e pronto.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Painel Folclore

Projeto didático "Brincando e aprendendo com parlendas"




INSTITUIÇÃO:
TURMA: TURNO:
PROFESSORA:
DURAÇÃO DO PROJETO: ...../...../.......À ..../....../......
DIREÇÃO:
COORDENAÇÃO:
TEMA DO PROJETO: Brincando e Aprendendo com Parlendas
TURMA: Educação Infantil
AREAS DE CONHECIMENTO: Linguagem Oral/Escrita, Natureza/Sociedade, Musicalidade, Artes Plásticas e Movimento
CONTEÚDOS: Parlendas, cores, coordenação motora fina/grossa, ritmo corporal e percepção auditiva/visual.

JUSTIFICATIVA:

Em geral as crianças sentem-se muito atraídas pelas parlendas, por ser um tipo de texto com ritmo e sonoridade que diverte e ensina, favorecendo as atividades com leitura e escrita. Nesse sentido este projeto objetiva o desenvolvimento da linguagem oral e da expressão corporal dos alunos através das parlendas.
Em nossa sociedade do conhecimento, o papel da escola ganha nova importância. Está nas mãos da escola, criar espaços e tempos para que as crianças vivam plenamente sua infância, desenvolvam sua criatividade ao invés de reproduzir comportamentos estereotipados, adquiram uma bagagem cultural que lhes permita inserir-se criticamente na sociedade, sendo capazes de transformá-la. ransmitir o legado cultural constituído pela humanidade é uma das funções primordiais da educação.
O resgate da tradição cultural e do folclore infantil presente nas parlendas, adivinhas e trava-línguas é uma das funções deste processo, pois esse tesouro constituído ao longo dos séculos não pode ser perdido.
Vale a pena trazer as cantigas e parlendas para a educação infantil por uma série de fatores, como nos lembra Fanny Abramovich: pelo seu valor social, pois “vieram de tão antigamente, quando as avós de nossas avós já faziam roda, davam as mãos e cantavam por horas essas cirandas tão belas, tão plenas de elementos importantes, significativos, belos”; pelas possibilidades de amadurecimento emocional que carregam em seus textos: “quanta declaração de amor, quanto ciuminho, quanta inveja passava na cabeça de todos”, pela expressão corporal que permitem e pelo conhecimento do corpo, “tantas outras aproximações corporais que uma ciranda proporciona”, pela brincadeira e pelo movimento em si: “usar todos os movimentos, brincando de modo gostoso, solto, fora da sala de aula... no mundo”.

OBJETIVO GERAL:

Permitir que as crianças possam brincar com parlendas, trava-línguas em atividades rítmicas que trabalhem percepção sonora, atenção e concentração, através do resgate da nossa herança cultural

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

Levar os alunos à:

- Propiciar a ampliação da linguagem oral;
- Dar ao aluno a oportunidade de memorizar e reproduzir rimas e parlendas;
- Desenvolver a percepção auditiva e visual através de parlendas;
- Produzir diversas técnicas plásticas tais como: desenho, modelagem, colagem e pintura através das parlendas;
- Desenvolver a coordenação motora;
- Desenvolver a sociabilização.

MATERIAIS NECESSÁRIOS:
CDs, aparelho de som, cartolinas, pincéis atômicos, giz de cera, tesoura, DVD, aparelho de televisão, gravuras, livros didáticos, livros de parlendas, máquina digital, papel manilha etc.

METODOLOGIA ( DESENVOLVIMENTO):
-Contar para os alunos parlendas ;
- Cantar e dançar a música em vários ritmos até que os alunos conheçam e
entendam o ritmo e a letra;
- Pedir que imitem através de gestos os ritmos da parlenda;
- Escrever várias parlendas em cartolinas e fixar na sala de aula;
- Organizar pequenos círculos onde cada aluno ouvirão e acompanharão com gestos várias parlendas.

CULMINÂNCIA:
Será feita uma exposição através de um painel com todas as atividades realizadas pelos alunos (as) durante o desenvolvimento do projeto para as demais turmas da instituição.

AVALIAÇÃO:
Será através de registro por parte do professor(a) de cada aluno (a) do desenvolvimento da aprendizagem frente as atividades individuais e coletivas propostas durante a realização do projeto em destaque.

Folclore












Parlendas


O que são parlendas?


As parlendas são versinhos com temática infantil que são recitados em brincadeiras de crianças. Possuem uma rima fácil e, por isso, são populares entre as crianças. Muitas parlendas são usadas em jogos para melhorar o relacionamento entre os participantes ou apenas por diversão. Muitas parlendas são antigas e, algunas delas, foram criadas, há décadas. Elas fazem parte do folclore brasileiro, pois representam uma importante tradição cultural do nosso povo.

Alguns exemplos de parlendas:

Um, dois, feijão com arroz.
Três, quatro, feijão no prato.
Cinco, seis, chegou minha vez
Sete, oito, comer biscoito
Nove, dez, comer pastéis.

*********************************************
Serra, serra, serrador!
Serra o papo do vovô!
Quantas tábuas já serrou?
Uma delas diz um número e as duas, sem soltarem as mãos, dão um giro completo com os braços, num movimento gracioso.Repetem os giros até completar o número dito por uma das crianças.
**********************************

Um elefante amola muita gente...
Dois elefantes... amola, amola muita gente...
Três elefantes... amola, amola, amola muita gente...
Quatro elefantes amola, amola, amola, amola muito mais...(continua...)
***************************************

– Cala a boca!–
Cala a boca já morrei
Quem manda em você sou eu!
*******************************************

- Enganei um bobo...
Na casca do ovo!
*****************************************
Dedo Mindinho
Seu vizinho,
Maior de todos
Fura-bolos
Cata-piolhos.

*******************************************

Palma, palminha, Palminha de Guiné
Pra quando papai vié,
Mamãe dá a papinha,
Vovó bate cipó,
Na bundinha do nenê.

***********************************
Bão, babalão,
Senhor Capitão,
 Espada na cinta,
Ginete na mão.
Em terra de mouro
Morreu seu irmão,
Cozido e assado
No seu caldeirão.
****************************************

Hoje é domingo
Pé de cachimbo
Cachimbo é de barro
Bate no jarro
O jarro é de ouro
 Bate no touro
O touro é valente
Bate na gente
 A gente é fraco
 Cai no buraco
O buraco é fundo
 Acabou-se o mundo.

******************************8

Dinglin... dingues, Maria Pires?

Estou fazendo papa!

Para quem Para João Manco.

Quem o mancou?

Foi a pedra.

Cadê a pedra?

Está no mato.

Cadê o mato?

O fogo queimou.

Cadê o fogo?

A água apagou.

Cadê a água?

O boi bebeu.

Cadê o boi?

Foi buscar milho.

Para quem?

Para a galinha.

Cadê a galinha?

Está “pondo”.

Cadê o ovo?

O padre bebeu.

Cadê o padre?

Foi dizer a missa.

Cadê a missa?

Já se acabou!

*******************************

Sola,sapato,

Rei,Rainha

Onde quereis

Que eu vá dormir?

Na casa de mãeAninha.

***********************

livrinho Iara















lendas folclóricas

O termo folclore foi proposto nos fins do século XIX pelo anglo-saxão W.J.Thomas. Originou-se o vocábulo de "folk" — que significa povo mais "Lore" — ciência. A palavra é usada para designar genericamente usos e costumes típicos de um povo.

Os relatos da literatura oral se perpetuam pela palavra falada ou pelas cantorias.
São casos (causos, no dialeto rural), lendas, anedotas e mitos de criação coletiva, muitas vezes recolhidos por estudiosos.
Os principais personagens fazem parte do folclore e têm origem indígena ou européia.

Boitatá- Gênio protetor dos campos. Aparece sob a forma de enorme serpente de fogo, que mata quem destrói as florestas. O padre José de Anchieta, em 1560, é o primeiro a mencionar o boitatá como personagem de mito indígena brasileiro. Esse é o nome dado pelos índios ao fenômeno do fogo-fátuo.

Boto - Mito amazônico. É o pai das crianças de paternidade ignorada. Descrito como rapaz bonito, bem-vestido, boêmio e ótimo dançarino. Nos bailes, encanta as moças, leva-as para igarapés afluentes do Amazonas e as engravida. Antes da madrugada, mergulha no rio e se transforma em boto. Chamado também de boto tucuxi.

Negrinho do Pastoreio - menino escravo que é acusado de perder um cavalo do patrão. Após ser castigado é colocado num formigueiro. Por um milagre, sai vivo e encontra o cavalo.

Curupira
Assim como o boitatá, o curupira também é um protetor das matas e dos animais silvestres. Representado por um anão de cabelos compridos e com os pés virados para trás. Persegue e mata todos que desrespeitam a natureza. Quando alguém desaparece nas matas, muitos habitantes do interior acreditam que é obra do curupira.

Lobisomem
Este mito aparece em várias regiões do mundo. Diz o mito que um homem foi atacado por um lobo numa noite de lua cheia e não morreu, porém desenvolveu a capacidade de transforma-se em lobo nas noites de lua cheia. Nestas noites, o lobisomem ataca todos aqueles que encontra pela frente. Somente um tiro de bala de prata em seu coração seria capaz de matá-lo.

Mãe-D'água
Encontramos na mitologia universal um personagem muito parecido com a mãe-d'água: a sereia. Este personagem tem o corpo metade de mulher e metade de peixe. Com seu canto atraente, consegue encantar os homens e levá-los para o fundo das águas.

Corpo-seco
É uma espécie de assombração que fica assustando as pessoas nas estradas. Em vida, era um homem que foi muito malvado e só pensava em fazer coisas ruins, chegando a prejudicar e maltratar a própria mãe. Após sua morte, foi rejeitado pela terra e teve que viver como uma alma penada.

Pisadeira
É uma velha de chinelos que aparece nas madrugadas para pisar na barriga das pessoas, provocando a falta de ar. Dizem que costuma aparecer quando as pessoas vão dormir de estômago muito cheio.

Mula-sem-cabeça
Surgido na região interior, conta que uma mulher teve um romance com um padre. Como castigo, em todas as noites de quinta para sexta-feira é transformada num animal quadrúpede que galopa e salta sem parar, enquanto solta fogo pelas narinas.

Mãe-de-ouro
Representada por uma bola de fogo que indica os locais onde se encontra jazidas de ouro. Também aparece em alguns mitos como sendo uma mulher luminosa que voa pelos ares. Em alguns locais do Brasil, toma a forma de uma mulher bonita que habita cavernas e após atrair homens casados, os faz largar suas famílias.

Saci-Pererê
O saci é representado por um menino negro que tem apenas uma perna. Sempre com seu cachimbo e com um gorro vermelho que lhe dá poderes mágicos. Vive aprontando travessuras e se diverte muito com isso. Adora espantar cavalos, queimar comida e acordar pessoas com gargalhadas.

livrinho conto infantil Saci
















Brincadeiras folclóricas


DANÇA DA CADEIRA ( 7 anos)
Como brincar

1. Coloque as cadeiras em fileira de acordo com o desenho. Deverá haver uma cadeira a menos do que o número de participantes. 2. Ao som da música bem animada, todos com as mãos para trás, começam a dançar em volta das cadeiras no ritmo da música. 3. Um adulto controla a música 4. Quando a música parar as crianças deverão sentar rapidamente nas cadeiras. O jogador que não conseguir se sentar será eliminado da brincadeira 5. A cada parada da música, retire uma cadeira. 6. O jogador que ficar por último é o vencedor do jogo. * caminho de Jerusalém é o outro nomes desta brincadeira

BATATA QUENTE (7 anos)

Como brincar 3. As crianças sentam-se no chão, formando um círculo. 4. Peça para o jogador mais velho ou um adulto para controlara música, parando de vez em quando. 5. Enquanto a música estiver tocando, todos vão passando a batata de mão em mão, conforme o ritmo da música. Se for lenta, bem devagar; se for agitada, bem depressa. 6. Quando a música parar, aquele que estiver com a batata na mão sairá da brincadeira. 7. Se alguém tentar passar a batata depois que a música parar , também será eliminado. 8. O jogo termina quando ficar apenas um jogador, que será o vencedor

CANTIGA DE RODA: ( 6 anos)

A LINDA ROSA JUVENIL -


A linda rosa juvenil, juvenil, } Entra a Rosa e fica no centro da roda A linda rosa juvenil, juvenil. Vivia alegre no seu lar, no seu lar } A Rosa finge brincar de um lado para o outro. Vivia alegre no seu lar, no seu lar. Um dia veio uma bruxa má, muito má } Entra a Bruxa Um dia veio uma bruxa má, muito má. E adormeceu a rosa assim, bem assim... } A Rosa vai se abaixando aos pouquinhos, até E adormeceu a rosa assim, bem assim... ficar de cócoras. - Não há de acordar jamais,nunca mais Não há de acordar jamais,nunca mais. } A Bruxa sai - O tempo correu a passar, a passar, } As crianças rodam com rapidez O tempo correu a passar, a passar, O mato cresceu ao redor, ao redor } As crianças da roda levantam os braços O mato cresceu ao redor, ao redor. Um dia veio um belo rei, belo rei } Entra o Rei Um dia veio um belo rei, belo rei E despertou a Rosa assim, bem assim }- O Rei beija a Rosa e vai levantando-a com as E despertou a Rosa assim, bem assim mãos. E eles viveram mui felizes, mui felizes } O Rei dança com a Rosa, no centro da roda. E eles viveram mui felizes, mui felizes Todos cantam batendo palmas.


Faz-se um circulo e uma criança roda o círculo por fora com um Cinto ou (chicotinho).
Em circulo, todas as crianças batem palmas e cantam: "chicotinho queimado, custa dois cruzados, quem olhar pra trás ganha chinelada..." A criança que circula pelo lado de fora deixa o cinto cair por trás de uma das crianças da roda. Se esta criança não perceber terá como castigo, chicotadas leves no bumburn. Case perceba, apanha o chicotinho e corre atrás de quem deixou cair o chicotinho até que ela escape o seu lugar na roda. E assim reinicia a brincadeira, até que todos participem. 2.

BRINCADEIRA: BRASIL X ESTADOS UNIDOS Faz-se duas filas com números iguais. Duas crianças se posicionam de dois a três metros das filas e cada uma segura uma bandeira. Em seguida a 1ª criança da fila corre até a criança e entrega a bandeira para a 2ª criança da fila. A 2ª criança corre até a criança da bandeira, entrega a bandeira, contorna a criança e se posiciona no ultimo lugar da fila. E assim sucessivamente até o último da fila. Vence "a fila que terminar primeiro."

atividade de leitura e escrita ( folclore)



Vamos ler e completar a parlenda abaixo:

-Amanhã é domingo, pé de cachimbo.

O cachimbo é de ouro, bate no touro.

O touro é valente, bate na gente.

A gente é fraco, cai no buraco.

O buraco é fundo, acabou-se o mundo.

Complete:

Amanhã é .............., pé de ......................
O ........................é de ouro, bate no ..........................
O touro é ......................., bate na .............................
A ............................é fraco, cai no .................................
O ....................é fundo, acabou-se o ..............................


******************************************************************************

Leia e parlenda e complete:

O macaco foi à feira

Não sabia o que comprar

Comprou uma cadeira

Pra comadre se sentar

A comadre se sentou

A cadeira escorregou

coitada da comadre

foi parar no corredor.

Complete:

O macaco foi à ..........................
Não sabia o que ..................................
.............................uma cadeira
Pra .................................se sentar
A .........................se sentou
A ..................................escorregou
Coitada da ...............................
Foi parar no ......................................


Copie o nome do animal que aparece no texto acima.

.....................................................................................

Faça uma ilustração da parlenda acima.


Painel Folclore

Folclore e Regiões



Projeto Folclore






 INSTITUIÇÃO: 
TEMA: Brincando com o  Folclore 
TURMA: Maternal II -A
TURNO: 
EXECUÇÃO: Início:           Término:  
PROFª: 
DIREÇÃO: 
COORDENAÇÃO:

ÁREAS DE CONHECIMENTOS:
Formação Pessoal e Social: socialização, respeito, valorização do outro, autonomia, iniciativa.
Linguagem Oral e Escrita: fala diálogo, argumentação, parlenda, trava língua, adivinhações, cantigas, receita, lendas e textos informativos.
Natureza e Sociedade: história dos brinquedos e brincadeiras, diferentes formas de cantar, brincar e contar histórias.
Movimento: dança brincadeiras.
Música: cantigas.

CONTEÚDOS:

Conceituais: Construir conceitos com as crianças sobre o que é folclore através de experiências vivenciadas por elas.
Procedimentais: Permitir que as crianças se apropriem de conhecimentos da cultura humana como novas formas de brincar, cantar, dançar, falar, etc.
Atitudinais: Incentivar a valorização e o respeito pelas diferentes formas de viver de diferentes grupos e pessoas

JUSTIFICATIVA

Folclore é a maneira de agir, pensar e sentir de um povo ou grupo com as qualidades ou atributos que lhe são inerentes, seja qual for o lugar onde se situa, o tempo e a cultura. Não é apenas o passado, a tradição; ele é vivo e está ligado à nossa vida de um jeito muito forte. Por isso, é tão importante conhecê-lo.
O saber folclórico é o que aprendemos informalmente no mundo, por meio do convívio social – por via oral ou por imitação. Ele é universal, embora aconteçam adaptações locais ou regionais, como consequência dos acréscimos da coletividade.
“Folclore é o conjunto de coisas que o povo sabe, sem saber quem ensinou.” (Xavier).
O educador de educação infantil deve saber aproveitar o atraente, rico e variado mundo do folclore, como fonte inesgotável de motivação didática e de elevada importância pedagógica.
Pensamos aqui, no Folclore como um grande quebra-cabeça, um grande brinquedo, em que cada peça é fundamental: as danças, as lendas, as brincadeiras, as par lendas, as adivinhações, as cantigas, as receitas, os brinquedos, etc. Essas são as peças que formam esse jogo chamado cultura brasileira. Quanto mais se brinca com esse jogo mais se conhece a cultura do nosso país, logo ele não poderia ficar fora do espaço educacional infantil.
Este trabalho será desenvolvido através de fundamentação teórica por parte do educador(a) propondo atividades as crianças em sala e extra-sala. Desta forma, o trabalho enfatizar as manifestações ligadas folclóricas regionais principalmente, a Região Centro-Oeste, levando em consideração  as  diferentes culturas (dança, cantigas, brincadeiras e contos).  Por meio dela, o educador pode trabalhar os diferentes eixos temáticos. 
OBJETIVO GERAL
Criar estratégias de ensino que levem as crianças a compreender o folclore como manifestação sócio-cultural por meio de atividades lúdicas e de cunho educativo, pois a cultura de um povo é um bem precioso que deve ser cultivado.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Criar estratégias de ensino que levem as crianças à:
- Resgatar vivenciar e valorizar as manifestações da cultura popular brasileira;
- Conhecer algumas lendas folclóricas ( Saci, Iara, Curupira, Boitatá etc.);
- Conhecer algumas lendas folclóricas da nossa região Centro-Oeste;
- Conhecer algumas parlendas;
- Ampliar o conhecimento das cores;
- Ampliar a linguagem oral,visual e a expressão corporal por meio de contos infantis, cantigas de rodas e brincadeiras folclóricas;

METODOLOGIA ( Procedimentos didáticos):

No primeiro momento, trabalharemos Identidade e Autonomia, fazendo uma investigação com as crianças sobre os conhecimentos preexistentes sobre o assunto.  Roda da conversa (crianças em círculo)
Explicar o que é folclore: são lendas, superstições, parlendas, brincadeiras, adivinhas.
Iniciaremos o projeto pesquisando algumas lendas:
- Lenda do Saci
- Lenda da mula sem cabeça
- Lenda do Boto
- Lenda do Boitatá
- Lenda do Curupira
Trabalharemos com as lendas, contando-as e reproduzindo-as através de desenhos, pinturas, colagem, massinha de modelar, cartazes etc.
As crianças ainda assistirão o filme “ Sítio do Pica Pau Amarelo” para compreenderem onde vive o saci.
Todas as atividades serão desenvolvidas com a interação entre professor e criança-criança.

RECURSOS DIDÁTICOS
EVA, papel manilha, CDs, aparelho de som, fita adesiva, cola quente, livros de contos, brinquedos, giz de cera, lápis de cor, tinta guache, pincel, máquina fotográfica, sulfite, sucatas etc.

PRODUÇÃO FINAL
Confecção de máscaras de lendas folclóricas com crianças durante o desenvolvimento deste projeto.

AVALIAÇÃO
Será por meio de registro descritivo e fotos das formas de expressão das crianças, de seu envolvimento nas atividades e satisfação nas suas próprias produções, servindo como um instrumento de acompanhamento do trabalho que ajudará na avaliação e no replanejamento da ação educativa.
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA


Lendas do Folclore

CANAL PEDAGÓGICO

Comente:

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também